Resenha: “Encruzilhada” de Lúcio Manfredi

51curhucycl

5-estrelas

Título: Encruzilhada
Autor: Lúcio Manfredi
Editora: Editora Draco
Ano: 2015

É no mínimo complicado fazer uma resenha de “Encruzilhada” sem soltar algum spoiler. Se eu não tivesse recebido um desses quando procurei resenhas, provavelmente teria tido uma experiência ainda melhor.

Recebi este ebook da Editora Draco (parceira do GATILHO) para análise e aqui vamos nós.

“Encruzilhada” é um daqueles livros que você não consegue soltar com facilidade. Eu andava bem relapso quanto às minhas leituras (tanto que achei que não fosse conseguir entregar a resenha no prazo), mas a obra de Manfredi me segurou, tentei escapar: não consegui.

Viciante. Confuso. Inteligente. Essas três palavras definem o que eu pensava durante a leitura. Não conhecia o autor Lúcio Manfredi, mas me encantei pelo estilo não-linear que, confesso, me deixava até um pouco tonto.

O livro é dividido em quatro partes, com uma infinidade de capítulos (mais de 40, pelo que me lembro). Eu amei esse formato pois, além de não deixar a leitura cansativa (cof, cof, Deuses Americanos) permitiu que o autor fizesse muitas mudanças inteligentes de tempo e narrador.

Por ser um livro pequeno (a versão impressa tem apenas 169 páginas), tive a boa impressão de que não tinha encheção de linguiça. Gosto de livros práticos, esse é um ótimo exemplo disso. Mesmo estando muito ocupado com trabalho, Exprom (evento de publicidade) e TCC, consegui terminar em nove dias.

Meus destaques:

  • Ambientação: a coisa que mais me marcou nesse livro foi a incrível capacidade de Manfredi descrever lugares. Desde a casa que a história se passa, até as ruas e bairros. Dica de exercício: enquanto lê, entre no Google Street View e passeie pelas ruas citadas pelo autor; eu, que nunca fui ao Rio, tive uma experiência bem imersiva ao fazer isso. Há, inclusive, uma sequência de ação (perseguição) após a posição 300 (Kindle) muito interessante.
  • Linguagem cinematográfica: um pensamento me acompanhou desde o começo da leitura: esse livro podia ser uma puta série de TV (não coincidentemente, Manfredi é roteirista). Destaque para posições 457 e 617.
  • Referências: ele fala de ciência, ficção, filosofia, música e até cita Jô Soares. Destaque para posições 653, 1046 e 1061.
  • Descrições geniais: aqueles trechos que você lê, relê e lê de novo só pra ter ter o prazer de ler um texto inteligente. Exemplos nas posições 970, 1162 e 1531 (esse é um capítulo metalinguístico DELICIOSO de ler).
  • Posição 1919: esse capítulo é extremamente criativo e ainda tem um plot twist.

Vale a pena comprar? ABSOLUTAMENTE SIM! Se você gosta de histórias interessantes, diferentes, com violência e com um “quê” de ficção científica, esse livro é pra você.

Caso queira comprar o ebook (ou o livro impresso), clique AQUI. Comprando nesse link, uma comissão vem para este que vos fala. Aproveite a leitura e depois comente aqui o que você achou 🙂

Clique aqui para ver opções de Kindles.

Anúncios

Resenha: “Saltimbanco” de Marcelo A. Galvão

saltimbanco_1429253024445263sk1429253024b

5-estrelas

Título: Saltimbanco
Autor: Marcelo A. Galvão
Editora: Draco (conheça mais sobre a editora)
Ano: 2015

Este é o segundo post da série de resenhas sobre contos disponíveis na loja da Amazon. Esse inclusive é grátis! Sim! Baixa aí no seu dispositivo (se você não tem Kindle, baixa o aplicativo ou entra no leitor do navegador que funciona do mesmo jeito).

 

Formato do conto: Essa é a história de Gapu, um aprendiz de saltimbanco cujo único desejo é fazer os outros rirem. O seu mestre, Montani, é violento e desprezível. Temos aí a premissa básica para um conto interessante. O que o autor prepara para o final, entretanto, não é comum.

Tamanho: Esse é um conto curto, apenas nove páginas. Apesar de acreditar que essa história poderia, com muita facilidade, ser estendida para um livro, o tamanho e formato de conto foi ideal para evitar a saturação.

Personagens: Senti vontade de conhecer mais sobre Montani e sobre o deus Zaio. Me parecem personagens realmente interessantes.

Melhores partes: Não há dúvidas que depois da metade do conto, quando Gapu encontra a estátua de Zaio, a história melhora e muito. É fácil imaginar o final como se fosse um filme bem psicodélico. É muito interessante.

Vale a pena comprar? É um conto gratuito e bem escrito. Acredito que você não vai se arrepender de baixar. Repito o que disse na resenha de “Uma Segunda Opinião“: é uma ótima opção para ler entre o final de um livro e o começo de outro, para espairecer. Pensando bem, acho que vou acabar falando isso em todas as resenhas.

Caso queira comprar o livro ou quem sabe um Kindle, clique nos links abaixo e dê uma pequena comissão para esse blogueiro aqui. Estou criando fundos para o lançamento do meu livro e você pode ajudar🙂

Clique aqui para comprar “Saltimbanco”.

Clique aqui para comprar ver opções de Kindles.

Resenha: “Uma Segunda Opinião” de Fernando Santos Oliveira

uma_segunda_opiniao_1392488945b

3-estrelas

Título: Uma Segunda Opinião
Autor: Fernando Santos Oliveira
Editora: Draco (conheça mais sobre a editora)
Ano: 2013

Essa é apenas a primeira de uma série de resenhas que farei sobre contos e outros materiais curtos que adquiri para o meu Kindle. Esse, curiosamente, foi o que baixei por último, mas decidi colocá-lo na frente da fila (sabe-se lá por que… coisa de leitor).

Formato do conto: A história é sobre uma menina que sente desejo de vingança por colegas de escola. Ponto. Essa afirmativa básica foi uma das coisas que mais me deixou interessado nesse conto. Ele diz a que veio e permanece até o fim com esse mesmo conceito. Textos que mudam o tom para criar subtramas geralmente me deixam desconfortável. Acredito que essa é uma das principais qualidades de contos em geral (e o que me faz preferir esse formato ao romance tradicional).

Tamanho: Apenas 21 páginas.

Ritmo de leitura: “Uma Segunda Opinião” é um conto interessante. Ele se poupa de detalhes inúteis, é direto e tem um formato muito simples. Algumas partes podem ser destacadas, como as descrições de lugares e situações. O único problema é que os diálogos são… pouco-realistas. Tudo parece meio plástico demais.

Talvez não seja precipitado afirmar que suas falhas (não-verossimilhança) vêm diretamente de suas qualidades (simplicidade de texto e objetividade). Não vou me prolongar nesse aspecto.

Sobre o final: interessante. Confesso que estava aguardando algo muito mais espalhafatoso (demônios, espíritos etc). Gostei bastante de como o autor resolveu a história.

Personagens: Como eu disse acima, os diálogos são pouco interessantes. Isso fez com que eu não conseguisse sentir simpatia pelos personagens. Minha opinião sobre as ações dos personagens, entretanto, é muito positiva.

Vale a pena comprar? Sim! O conto está disponível por um preço muito baixo, praticamente simbólico (na data em que estou postando essa resenha, custa apenas R$ 0,99), na Amazon. É uma leitura rápida, perfeita para ler entre o final de um livro e o começo de outro, para dar aquela espairecida.

Caso queira comprar o livro ou quem sabe um Kindle, clique nos links abaixo e dê uma pequena comissão para esse blogueiro aqui. Estou criando fundos para o lançamento do meu livro e você pode ajudar🙂

Clique aqui para comprar “Uma Segunda Opinião”.

Clique aqui para comprar ver opções de Kindles.